Teoria das Cordas--- Parte 4

29-12-2008 18:56

 

Sabemos que as dimensões adicionais, se existirem, devem ser ultra-pequenas. O motivo, já sabemos: Se fossem grandes, então a sua presença seria sentida e saberíamos que não viveríamos em três dimensões, o que claramente não ocorre.

Porém, as branas modificam essa idéia. Com a entrada das p-branas na teoria das cordas, ocorre algo extraordinário: As dimensões extras podem, sim, ser entendidas.

A idéia é a seguinte: Como uma 3-brana é composta por três dimensões, talvez isso possa significar que todo o nosso universo seja uma 3-brana. Desse modo, não há motivos para restringir a suposição de que não exista apenas uma 3-brana, mas sim duas. Na verdade podem existir infinitas branas das mais variadas dimensões. O fato essencial é que podemos estar vivendo em uma 3-brana e que exista em nossa vizinhança uma outra 3-brana, porém, não a percebemos pois a luz não pode se comunicar entre as branas. O motivo não nos interessa, mas uma breve explicação é que, assim como tudo o que existe, o composto fundamental da luz seriam as cordas. E, para a luz, as cordas vibrariam de tal maneira que não permitiriam que a luz saísse de uma brana para se comunicar com outra.

Com a gravidade, a história é outra. A gravidade poderia sim se comunicar entre as branas, fazendo com que a nossa únca comunicação com outra brana (outro universo) fosse a gravidade! Esta poderia ser uma explicação para a matéria escura (A matéria escura compõe cerce de 25 % de nosso universo e é uma matéria que não emite luz, porém que exerce um efeito gravitacional – Para mais informações leia “O Universo Numa Casca de Noz” de Stephen Hawking).

Existe ainda algo relevante para esse artigo referente à teoria das cordas. Existe uma teoria que leva em consideração a existência dessas p-branas. De acordo com essa teoria, o Big-Bang não seria nada mais que a colisão entre duas p-branas. De acordo com essa teoria, a qual ainda necessita ser melhor compreendida, duas p-branas, das quais uma seria o nosso universo, estariam perpetuadas a colidir eternamente, provocando infinitos Big-Bangs. Se esta teoria estiver correta, então neste exato momento, há uma outra p-brana em direção à nossa, o que gerará um novo Big-Bang.