Teoria das Cordas--- parte 6

03-01-2009 14:42

 

Como vimos nos artigos anteriores, a teoria M não funciona em um universo com apenas 3 dimensões espaciais. Muito pelo contrário, ela exige 9 dimensões espaciais e uma temporal. Porém, quando essa constatação foi feita (a de que são exigidas 10 dimensões espaços-temporais), ainda eram usadas aquelas equações aproximadas, as quais nos referimos anteriormente. Mas, depois de 1995, quando foi descoberto que equações difíceis poderiam ser simplificadas sem que se perdessem quaisquer informações, então a história mudou. Foi descoberto que na verdade a teoria M exige 10 dimensões espaciais e mais uma temporal! As equações aproximadas faziam com que uma dimensão não fosse “enxergada” pelos estudiosos da teoria M e da teoria das cordas. É por esse motivo e por outros que a descoberta de 1995 causou uma verdadeira revolução e impulsionou diversas pessoas em todo o mundo a conhecerem um pouco mais sobre a teoria M.

Existe ainda uma perspectiva completamente diferente que a teoria M dá ao universo e que ainda não foi mencionado nos outros artigos. Essa perspectiva contou com o desenvolvimento do físico Stephen Hawking, um dos maiores físicos da atualidade. Eis o que este e outros físicos descobriram: O universo em que vivemos pode não passar de um mero holograma. Isso mesmo! Isso significa que a nossa realidade pode não passar de um mero reflexo de um outro universo em que o seu verdadeiro “eu” está lendo este artigo. Eis um resumo do por quê: Stephen Hawking descobriu que a entropia (veja o artigo “entropia”) de determinado ambiente não cresce segundo o seu volume, mas sim de acordo com a área. Portanto, não importa o volume que determinado ambiente tenha, o que importa é a sua área em termos de crescimento de entropia. Sendo assim, de acordo com a segunda lei da termodinâmica, que diz que a entropia deve sempre aumentar, não há razões para crer que o volume do universo tenha de aumentar, mas sim somente a sua área. Então, por que o nosso universo tem volume? Ou melhor, por que vivemos em três dimensões e não em duas, como se fosse em uma tela de computador? Bem, talvez vivamos em duas dimensões e o nosso universo seja uma mera reflexão do que ocorre em um outro universo. Imagine dessa forma: Você está na frente de um espelho. Como sabemos, vivemos em três dimensões, porém, o espelho só tem duas (cima-baixo; direita-esquerda). Tudo o que você faz é refletido no espelho. Se você espirra, a sua imagem no espelho também espirra; Se você pisca, a imagem no espelho também pisca. Agora, imagine que você representa o nosso universo em três dimensões e o espelho o outro universo em duas dimensões (ou uma 2-brana). Tudo o que o universo em três dimensões faz o universo em duas dimensões também faz. Porém, segundo essa analise, o “comando” seria dado pelo universo em duas dimensões e nós, o universo em três dimensões (ou a 3-brana), apenas refletiríamos o comando.

É bom lembrar que essa área ainda está sob pesquisas, porém, ao que parece, a teoria M suporta esse tipo de análise. Ainda não existem fatos fortes que contraponham essa teoria a ponto de descartá-la.

Pessoalmente, se você se interessou por este artigo, eu recomendo que você leia “O Tecido do Cosmo”, de Brian Greene.